Doce Cuidar
  • (19) 97406 5095 / (19) 4115 0066

Artigos

Uma série de artigos e notícias interessantes sobre saúde e cuidado

SUSCETIBILIDADE GENÉTICA AO CÂNCER

SUSCETIBILIDADE GENÉTICA AO CÂNCER

Desde Mendel, em 1865, chegando ao mapeamento do genoma humano e técnicas de biologia molecular, a hereditariedade é algo que desperta nossa curiosidade, atenção e as vezes nossa preocupação. Saber sobre a suscetibilidade de determinadas doenças, como o câncer por exemplo, poderia fazer com que adotássemos medidas preventivas, algo que chamamos de prevenção primária.

As causas que contribuem para o desenvolvimento do câncer são múltiplas, envolvem fatores ambientais como tabagismo, radiação ionizante (recebidas em exames como Raio-X ou tomografias), álcool e administração de hormônios; fatores endógenos como envelhecimento, obesidade, alterações hormonais e metabolismo e herança genéticas em proporções variadas.

O diagnostico de síndromes de câncer hereditário é feito com o histórico familiar que incluem desde manifestações benignas e casos de câncer. Geneticamente podemos separar os casos de câncer dentro da família em esporádicos (70% casos) que são isolados, em geral acima 50 anos; familiar (20% casos), em que se identifica um número maior de casos, sendo que alguns genes de baixa e média penetrância contribuem para isto; e o hereditário (10% casos); em geral um gene de alta penetrância  com ocorrência de tumores múltiplos ou em idade jovem.

Algumas das síndromes hereditárias são:

1 – câncer de mama e ovário hereditário; com os famosos genes BRCA1 E BRAC2 , em geral relacionados com câncer de mama, próstata, pâncreas, melanoma, colorretal e ovário.

2 – Li Fraumeni, genes TP53 e CHEK2, sendo os tumores mais frequentes os de câncer de mama, pâncreas, tireoide, colorretal, leucemia, glioma de SNC, adrenal, melanoma e sarcoma de partes moles.

3 – Cowden, gene PTEN, relacionado com câncer de mama, endométrio, tireoide, renal e meningioma.

Essas são apenas algumas síndromes, é importante frisar que o diagnóstico dessas síndromes permite programas de rastreamento individuais, cirurgias redutoras de risco, testes moleculares diagnósticos e preditivos para assintomáticos. O exemplo de Angelina Jolie ilustra um pouco o que dizemos aqui. 

Comentários

Deixe aqui o seu comentário

  • 03.nov.2017

    As complicações do diabetes levam milhares de paciente a cegueira, perda do funcionamento renal com consequente necessidade de hemodiálise, aumentam as chances de infarto, acidentes vasculares cerebrais e perda da visão.

  • 13.mar.2017

    Fique atento! Cerca de 50% dos diabéticos ainda não receberam o diagnóstico, ou seja nao sabem que estão doentes. 

  • 06.mar.2017

    A Demência pode apresentar diversas formas e causas. Dependendo do tipo pode ser reversível ou controlada. Algumas atitudes muitas vezes inusitadas ou constrangedoras podem ser um sinal da doença.

    Você sabia que controlando os fatores de risco para demência, também controla risco para infarto?

  • 15.jan.2017

    Imaginemos uma pessoa com câncer de mama, e faremos uma breve viagem , com início no ano de 2500 a.C., em que não havia tratamento; até o  ano 500 a.C.;em que Atossa, rainha da Pérsia, enfaixava a mama doente para ocultá-la, até que não suportando mais o desconforto, pediu a um escravo que extirpasse seu seio com uma faca, e uma forma de mastectomia  primitiva se inicia.